Na Luz da Verdade

Mensagem do Graal de Abdrushin


1.LIVRO ◄ ► 2.LIVRO
Deutsch
English
Francais
Español
Русский
Український
Magyar
Česky
Slovensky
Índice


22. Formas de pensamento

Sentai-vos em qualquer restaurante ou bar e observai lá as mesas ocupadas ao vosso redor. Prestai atenção às conversas. Ouvi o que as pessoas têm a se dizer. Freqüentai famílias, observai vosso ambiente mais próximo nas horas de lazer, quando o trabalho não mais pressiona.

Com espanto verificareis a vacuidade de tudo sobre o que as pessoas conversam, quando não podem falar a respeito de suas ocupações em geral. Intuireis, até a aversão, o vazio dos pensamentos, a estreiteza opressora do círculo de interesses, como também a assustadora superficialidade, tão logo vos ocupardes uma vez de modo sério com aguçada observação. As poucas exceções que então encontrareis, cujas palavras em horas de lazer da vida cotidiana se acham perpassadas de anseio pelo aperfeiçoamento da alma, parecer-vos-ão até solitários estranhos em meio à turbulência de um parque de diversões.

Exatamente nas assim chamadas horas de lazer é que conseguireis reconhecer com maior facilidade o íntimo verdadeiro do ser humano, depois que o apoio externo e o campo específico de seus conhecimentos cessam com o afastamento de suas atividades profissionais costumeiras. O que então restar é o autêntico indivíduo. Olhai para ele, escutai atentamente suas palavras como desinteressados. Em breve interrompereis as observações, porque a vós se tornarão insuportáveis. Profunda tristeza virá sobre vós quando reconhecerdes quantos seres humanos não são muito diferentes dos animais. Não tão broncos, com maior capacidade mental, em linhas gerais, porém, idênticos. Como que providos de antolhos, atravessam unilateralmente a existência terrena, vendo diante de si sempre apenas o mero terrenal. Preocupam-se com a comida, com a bebida, tratam de acumular quantidade maior ou menor de valores terrenos, esforçam-se por prazeres corporais e consideram quaisquer reflexões sobre coisas que não podem ver como desperdício de tempo, o qual, na opinião deles, é bem melhor empregado em “recreação”.

Não podem, nem jamais compreenderão que a existência terrena, com todos os seus prazeres e alegrias, só obterá real conteúdo quando se estiver de certo modo familiarizado com o mundo de matéria fina a isso pertencente, se conhecer os efeitos recíprocos que a ele nos ligam e, com isso, não ter mais a sensação de estar entregue a acasos. Repelem isso para longe de si, na falsa concepção de que, se existisse realmente um mundo de matéria fina, dele só lhes poderiam advir incômodos ou também pavores, tão logo com ele se ocupassem.

Estranha lhes é a idéia de que toda a vida terrena só adquire valor real com o anseio por algo mais elevado, e que, com isso, o mais maravilhoso calor de vida também pulsa através de todas as alegrias e prazeres terrenais. Não, por acaso, colocando estes de lado, mas proporcionando ardente afirmação de vida, como o mais belo efeito recíproco, aos que anseiam por algo mais puro e mais elevado e aos que procuram sinceramente, o que muitas vezes ressoa em jubiloso entusiasmo por tudo o que existe e se oferece.

Tolos, os que passam por tudo isso! Covardes, aos quais as maravilhosas alegrias de um progredir corajoso permanecerão sempre denegadas.

Rejubilai-vos, portanto, pois tudo em vossa volta vive, espraiando-se a paragens aparentemente imensuráveis! Nada está morto, nada vazio como aparenta. Tudo atua e tece na lei da reciprocidade, em cujo centro vos encontrais como seres humanos, para formar de novo os fios e dirigi-los, como pontos de partida e metas finais. Poderosos regentes, dos quais cada um individualmente forma seu reino, para que o eleve ou o soterre. Despertai! Utilizai o poder que vos foi dado, no pleno conhecimento do acontecimento gigantesco, para que, como agora, por estupidez, teimosia ou mesmo por indolência, não gereis apenas monstros nocivos, que sobrepujam o sadio e bom, acabando por levar o próprio gerador a oscilar e tombar.

Já o ambiente de matéria fina mais próximo do ser humano consegue contribuir bastante para elevá-lo ou derrubá-lo. Trata-se do singular mundo das formas de pensamentos, cuja vivacidade constitui apenas uma pequena parte da gigantesca engrenagem de toda a Criação. Mas seus fios vão até o que é de matéria grosseira, como também ascendem ao que é de matéria ainda mais fina, porém, igualmente descem ao reino das trevas. Tal qual uma gigantesca rede de veias ou nervos, tudo se acha entretecido e entrelaçado de maneira indestrutível, inseparável! Prestai atenção a isso!

Favorecidos conseguem ver aqui ou acolá uma parte disso, muita coisa, porém, apenas podem pressentir. Dessa forma, pois, alguma coisa já chegou ao conhecimento da humanidade. Estes procuraram prosseguir edificando sobre isso, a fim de obter um quadro completo. Todavia, não deixaram de aparecer erros e falhas. Muitos pesquisadores no campo da matéria fina deram saltos, o que tinha de resultar em perda da conexão. Outros, por sua vez, preencheram lacunas com figuras fantásticas, as quais causaram deformações e deturpações, que necessariamente tiveram de abalar a fé no todo. A conseqüência foi zombaria justificada que, baseada na falta de lógica dos assim chamados pesquisadores espiritualistas, teve de triunfar.

Já que se deve falar sobre isso, então em primeiro lugar tem de ser estendida uma corda através de todos os acontecimentos na obra da Criação, na qual o observador possa segurar-se e através da qual ele seja capaz de se alçar. Muitos fenômenos que lhe são incompreensíveis já encontram seu ponto de partida no ambiente próximo. Um olhar para dentro do mundo das formas de pensamentos devia ensiná-lo a compreender muita coisa que antes lhe parecia inexplicável. Também a justiça executante, ao julgar alguns casos, encontraria como reais causadores bem outros do que os imputados por ela, levando-os em primeiro lugar à responsabilidade. A chave para isso encontra-se na conexão do ser humano individual com o mundo das formas de pensamentos, que se encontra como o mais próximo da humanidade terrena. É, sem dúvida, um benefício para muitos que portem a venda, a qual não lhes deixa ver além do que seus olhos terrenos-corpóreos sejam capazes de abranger. A espécie das atuais formas de pensamentos deixá-los-ia assustados. Pavor paralisante estender-se-ia sobre muitos que agora passam pela vida inescrupulosamente de modo ingênuo ou até leviano. Pois cada pensamento gerado adquire logo uma forma, como tudo no mundo de matéria fina, a qual corporifica e apresenta o real sentido desse pensamento.

A força viva criadora que perflui os seres humanos reúne, pela vontade concentrada de um pensamento pronto, o que é de matéria fina e junta-o ligando numa forma que expressa a vontade desse pensamento. Portanto, algo real, vivo, que nesse mundo de formas de pensamentos, devido à lei de atração da igual espécie, atrai elementos homólogos ou por eles se deixa atrair, conforme sua própria força. Assim como um pensamento, ao irromper, é ao mesmo tempo co-intuído, com maior ou menor intensidade, de igual modo a sua forma de matéria fina trará em si vida correspondente. Densamente povoado é esse mundo de pensamentos. Centrais inteiras têm se formado pela força de atração recíproca, das quais, devido às suas forças concentradas, emanam influências sobre os seres humanos.

Em primeiro lugar sempre sobre aqueles que são propensos para a igual espécie, isto é, que contêm em si algo de semelhante. Serão desse modo fortalecidos em sua vontade correspondente e estimulados para a sempre renovada produção de formas semelhantes que, agindo de maneira análoga, entram no mundo das formas de pensamentos.

Mas também outras pessoas que não trazem em si essas particularidades podem ser molestadas por elas e pouco a pouco atraídas para elas, se essas centrais receberem forças inimagináveis através de contínuo e novo afluxo. Só se acham protegidas disso aquelas que possuem algo de outra espécie em maior intensidade, com o que uma ligação com algo não semelhante torna-se impossível.

Infelizmente, na época atual são somente o ódio, a inveja, o ciúme, a cobiça, a avareza e todos os outros males que, devido ao número maior de adeptos, possuem as centrais de força mais poderosas no mundo das formas de pensamentos. Em menor escala a pureza e o amor. Por essa razão o mal cresce, expandindo-se com velocidade sinistra. Ocorre ainda que essas centrais de força das formas de pensamentos, por sua vez, recebem ligações com as esferas de igual espécie das trevas. De lá são especialmente atiçadas para uma atividade cada vez maior, de maneira que, progredindo, conseguem provocar verdadeiras devastações entre a humanidade.

Abençoada, portanto, deve ser a hora em que os pensamentos de puro amor divino adquirem novamente um lugar mais amplo entre a humanidade, para que assim se desenvolvam fortes centrais de igual espécie no mundo das formas de pensamentos, que possam receber reforços das esferas mais luminosas e com isso não apenas propiciar fortalecimento aos que almejam o bem, mas também atuar lentamente, de modo purificador, sobre os ânimos mais escurecidos.

Pode-se, porém, observar também ainda uma outra atividade nesse mundo de matéria fina: formas de pensamentos são impelidas pela vontade do gerador em direção a determinadas pessoas, às quais podem aderir. Tratando-se de formas de pensamentos de espécie pura e nobre, constituem elas um embelezamento da pessoa visada, reforçam ao seu redor a proteção da pureza, e podem, pela semelhança das intuições interiores, elevá-la ainda mais e fortalecê-la para a ascensão. Mas pensamentos de impureza têm de conspurcar a pessoa visada, da mesma forma que um corpo de matéria grosseira se torna sujo pelos arremessos de imundície e lodo. Se uma pessoa assim atingida não estiver interiormente bem ancorada nas centrais de correntes luminosas, pode suceder-lhe que sua intuição venha a ser perturbada com o tempo, devido a esses arremessos de pensamentos impuros. Isso é possível, porque as formas aderidas de pensamentos impuros conseguem atrair algo de igual espécie, com o que elas, assim robustecidas, envenenam pouco a pouco os pensamentos da pessoa circundada.

É lógico que a responsabilidade maior recai sobre a pessoa que gerou os pensamentos impuros e remeteu-os à pessoa visada por seu desejo ou cobiça; pois as formas de pensamentos também permanecem ligadas a quem as gerou, agindo retroativamente sobre ela, de modo correspondente.

Por esse motivo deve sempre de novo ser chamada a atenção de todos que procuram sinceramente: “Cuidai da pureza de vossos pensamentos!” Empregai nisso todas as vossas forças. Não podeis imaginar o que criais com isso. Há nisso algo de gigantesco! Com isso podeis atuar quais vigorosos lutadores, pioneiros em prol da Luz e, conseqüentemente, em prol da libertação dos vossos semelhantes do cipoal dos campos venenosos do mundo das formas de pensamentos.

Se fosse agora tirada a venda dos olhos de uma pessoa, de maneira que ela pudesse ver o âmbito mais próximo de matéria fina, a princípio ela depararia atemorizada com uma tremenda confusão que poderia incutir-lhe medo. Mas somente até que reconhecesse a força nela latente, com a qual está apta a abrir livre caminho para si, como se fosse com uma espada afiada. Sem esforços, apenas pela própria vontade. Em centenas de milhares de variedades ela vê as formas de pensamentos, todas as configurações possíveis e para os olhos terrenos muitas vezes impossíveis. Cada uma, porém, expressa nitidamente, mostrando e vivendo exatamente aquilo, que foi a verdadeira vontade por ocasião da geração do pensamento. Sem enfeites, livre de todos os artifícios encobridores.

Mas apesar das milhares de espécies, reconhece-se com o tempo imediatamente a essência de cada forma de pensamento, isto é, sabe-se a que categoria pertencem, apesar de suas configurações diversas. Assim como se pode distinguir pela fisionomia um homem de um animal, ou mesmo as diversas raças humanas por determinadas características fisionômicas, exatamente assim as formas de pensamentos têm expressões bem determinadas, que indicam claramente se a forma pertence ao ódio, à inveja, à cobiça ou a qualquer outra categoria básica. Cada uma dessas categorias básicas possui sua determinada marca, que é impressa nas formas de pensamentos isoladas, como base das características por ela corporificadas, seja qual for a configuração externa que essas formas tenham adquirido pelo pensamento gerador. Assim, portanto, apesar das mais esquisitas desfigurações duma forma em horrendíssimas deformidades, pode-se reconhecer imediatamente a que espécie básica ela pertence. Com esse reconhecimento, também a aparente e desordenada confusão deixa de apresentar-se como tal.

Vê-se a inamovível ordem e o rigor das leis básicas que perfluem toda a Criação, as quais, quando as conhecemos e nos ajustamos ao seu curso, concedem infinita proteção e trazem grandes bênçãos. Mas, quem se opuser a essas leis será naturalmente atacado e sofrerá, quando não derrubado e esmagado, pelo menos dolorosas escoriações que, sob dores e amargas experiências vivenciais, remodelá-lo-ão até que se enquadre à correnteza dessas leis, não significando mais um obstáculo. Somente depois disso é que poderá ser levado para cima.

Essas formas de pensamentos não somente remetem seus efeitos à humanidade, como alcançam ainda mais longe; porque ao âmbito mais próximo desse mesmo mundo de matéria fina pertence também a maior parte dos seres da natureza. Quem já se conformou com o fato de que tudo vive e, conseqüentemente, que tudo está em formas, seja terrenamente visível ou não, a esse não será difícil imaginar que também forças naturais se acham formadas. A estas pertencem os já vistos por muitos – outrora mais do que agora – gnomos, elfos, silfos, ondinas, etc., entes da terra, do ar, do fogo e da água. Eles são influenciados pelas formas de pensamentos, com o que por sua vez se originam muitos benefícios ou muitos males. E assim por diante. Uma coisa se engrena na outra, como num conjunto de engrenagens de um motor aperfeiçoado ao máximo primor.

Em meio a toda essa engrenagem, porém, encontra-se o ser humano! Aparelhado com os meios para determinar a espécie dos tecidos que devem resultar da atuação na Criação, para manobrar o conjunto das engrenagens em diversas direções. Tornai-vos cônscios dessa responsabilidade imensurável; pois tudo se desenrola apenas na própria esfera do vosso ambiente terrenal. De acordo com a sábia disposição do Criador, nada disso vai além, mas retorna somente a vós próprios. Conseguis com o vosso desejar, pensar e querer, envenenar o Aquém e o Além da Terra, ou, também, purificando, elevá-los ao encontro da Luz. Por isso, tornai-vos condutores do destino, que leva às alturas, mediante a pureza de vossos pensamentos!

Mensagem do Graal de Abdrushin


Índice

[Mensagem do Graal de Abdrushin]  [Ressonâncias da Mensagem do Graal] 

contato