Na Luz da Verdade

Mensagem do Graal de Abdrushin


1.LIVRO ◄ ► 2.LIVRO
Deutsch
English
Francais
Español
Русский
Український
Magyar
Česky
Slovensky
Índice


30. O ser humano e seu livre-arbítrio

Para que se possa dar um quadro completo a respeito, faz-se necessário reunir muitos elementos de fora que exercem suas influências maiores ou menores sobre o fator principal!

O livre-arbítrio! É algo diante do qual até mesmo seres humanos eminentes se detêm pensativamente, porque havendo uma responsabilidade, segundo as leis da justiça, também deve haver incondicionalmente uma possibilidade de livre resolução.

Por onde quer que se ande, de todos os lados se ouve a exclamação: onde é que existe uma vontade livre no ser humano, quando há de fato providência, condução, determinações, influências astrais e carma? *(Destino) Pois o ser humano é impelido, ajustado e conformado, quer queira quer não!

Com afinco os pesquisadores sinceros se lançam sobre tudo aquilo que fala do livre-arbítrio, no reconhecimento mui acertado de que, justamente a esse respeito, necessita-se imprescindivelmente de um esclarecimento. Enquanto este falta, o ser humano também não consegue se enquadrar direito, a fim de impor-se na grande Criação como aquilo que realmente é. Se, porém, não estiver sintonizado de maneira certa com referência à Criação, terá de permanecer nela como um estranho, vagará a esmo, terá de se deixar empurrar, ajustar e moldar, porque lhe falta a consciência do alvo. Assim resulta então uma coisa da outra, e, como conseqüência natural, o ser humano tornou-se por fim aquilo que ele hoje é, mas que, na verdade, não deve ser!

Seu grande defeito é o fato, que ele não sabe onde realmente se encontra seu livre-arbítrio e como atua. Tal contingência mostra também que perdeu completamente o caminho para seu livre-arbítrio, não sabendo mais como encontrá-lo.

A entrada do caminho para a compreensão não é mais reconhecível, devido à areia movediça amontoada. Dissiparam-se os rastros. A criatura humana, indecisa, corre aí em círculos, fatigando-se, até que por fim um vento refrescante abra novamente os caminhos. É natural e evidente que antes toda essa areia movediça será levantada em rodopios violentos e, ao desaparecer, ainda poderá turvar a vista de muitos dos que, ansiosos, continuam a procurar a abertura do caminho. Por esse motivo, cada um deve exercitar o máximo cuidado para conservar a vista livre, até que o último grãozinho dessa areia movediça também tenha se dispersado. Do contrário, pode suceder que esteja vendo o caminho, no entanto, com a vista levemente turvada, pise em falso, tropece e caia, para, já com o caminho diante de si, ainda afundar. —

A incompreensão sempre de novo manifestada obstinadamente pelos seres humanos com relação à verdadeira existência de um livre-arbítrio baseia-se principalmente na não compreensão daquilo que o livre-arbítrio realmente é.

A explicação, na verdade, já se encontra na própria definição, porém, como por toda parte, aqui também não se vê a coisa realmente simples, por causa de tanta simplicidade, mas sim se procura em lugares errados, não se chegando dessa maneira a formar uma noção do livre-arbítrio.

Por arbítrio, o maior número dos seres humanos hoje em dia entende aquela sintonização forçada do cérebro terreno, quando o intelecto, atado a espaço e tempo, indica e determina alguma determinada direção para o pensar e o sentir.

Esse, no entanto, não é o livre-arbítrio, mas o arbítrio atado pelo intelecto terreno!

Tal equívoco feito por tantas pessoas causa grandes erros, soergue as barreiras que impossibilitam um reconhecimento e uma compreensão. Admira-se então o ser humano quando aí encontra lacunas, depara com contradições e não consegue introduzir lógica nenhuma.

O livre-arbítrio, que sozinho atua tão incisivamente na verdadeira vida, de modo que se estende até longe no mundo do Além, que imprime seu cunho à alma, sendo capaz de moldá-la, é de espécie totalmente diferente. Muito maior para ser tão terrenal. Por isso não está em nenhuma ligação com o corpo terreno de matéria grosseira, portanto, também não com o cérebro. Encontra-se exclusivamente no próprio espírito, na alma do ser humano.

Se o ser humano não concedesse ao intelecto, sempre de novo, a soberania ilimitada, poderia o livre-arbítrio, com a visão mais ampla de seu verdadeiro “eu” espiritual, indicar ao cérebro do intelecto a direção, oriunda da fina intuição. Por esse motivo, a vontade atada, que é absolutamente necessária para a realização de todas as finalidades terrenas, ligadas a espaço e tempo, teria então de enveredar muitas vezes por outro caminho, diferente do que acontece agora. Que com isso também o destino toma outro rumo é fácil de se explicar, porque o carma, devido aos diferentes caminhos tomados, também ata outros fios, trazendo outro efeito recíproco.

Essa explicação, naturalmente, ainda não pode trazer uma compreensão correta sobre o livre-arbítrio. Para que seja traçado um quadro completo disso, é necessário saber de que forma o livre-arbítrio já tem atuado. E de que maneira ocorreu a trama tantas vezes intrincada de um carma já vigente, que é capaz de, em seus efeitos, encobrir o livre-arbítrio de tal forma, que a sua existência mal ou de forma alguma pode ainda ser reconhecida.

Tal explicação, porém, somente poderá ser dada, por sua vez, se for recorrido ao processo evolutivo completo do ser humano espiritual, a fim de partir daquele momento em que a semente espiritual do ser humano mergulha pela primeira vez no invólucro de matéria fina, no limite extremo da materialidade. —

Vemos então que o ser humano não é absolutamente o que cuida ser. Nunca tem no bolso o direito absoluto à bem-aventurança e à continuação eterna de uma vida pessoal. *(Dissertação Nº 20: O Juízo Final) A expressão: “Somos todos filhos de Deus”, no sentido interpretado ou imaginado pelos seres humanos, é errada! Nem todo ser humano é um filho de Deus, mas só quando para tanto tenha se desenvolvido.

O ser humano é lançado na Criação como um gérmen espiritual. Esse gérmen contém em si tudo para poder se transformar em um filho de Deus, pessoalmente consciente. Aí, porém, é pressuposto que para tanto ele desenvolva as correspondentes faculdades e cuide delas, sem deixar que se atrofiem.

Grande e poderoso é o processo, e, todavia, inteiramente natural em cada etapa do fenômeno. Nada se encontra aí fora de uma evolução lógica; porque a lógica está em todo o atuar divino, por ser este perfeito e tudo quanto é perfeito não pode dispensar a lógica. Cada um desses germens espirituais contém as mesmas faculdades em si, visto que promanam de um só espírito, e cada uma dessas faculdades individuais encerra uma promessa, cujo cumprimento realiza-se incondicionalmente, tão logo a faculdade seja levada ao desenvolvimento. Mas também somente então! Essa é a perspectiva de cada gérmen na semeadura. No entanto...!

Saiu um semeador para semear: lá onde o divinal, o eterno, paira sobre a Criação, e onde o mais etéreo da matéria fina da Criação toca a entealidade, é o campo para a semeadura dos germens espirituais humanos. Pequenas fagulhas saem do enteal transpondo o limite e afundam no solo virgem da parte fino-material da Criação, tal como nas descargas elétricas de um temporal. É como se a mão criadora do Espírito Santo disseminasse sementes na materialidade.

Enquanto a semeadura se desenvolve e vagarosamente amadurece para a safra, muitos grãos se perdem. Não vingam, isto é, não desenvolveram suas faculdades mais elevadas, mas apodreceram ou secaram e devem perder-se na matéria. Aqueles, porém, que vingaram e sobressaem do solo, serão examinados rigorosamente por ocasião da colheita, as espigas vazias separadas das espigas cheias. Após a colheita, o joio será mais uma vez separado cuidadosamente do trigo.

Assim é a imagem do processo em geral. E agora, a fim de conhecermos o livre-arbítrio, temos de acompanhar mais detalhadamente o processo evolutivo propriamente dito do ser humano:

Como o mais elevado, o mais puro, é, em seu esplendor, o eterno, o divinal, o ponto de partida de tudo, o início e o fim, rodeado pelo luminoso enteal.

Quando então centelhas do enteal saltam para o campo da extremidade fino-material da Criação material, fecha-se instantaneamente em redor dessa centelha um invólucro gasoso de idêntica espécie de matéria dessa mais delicada região da materialidade. Com isso, o gérmen espiritual do ser humano entrou na Criação, a qual, como tudo o que é matéria, está sujeita a alterações e à decomposição. Ele ainda está livre de carma e espera as coisas que deverão vir.

Até a essas mais extremas ramificações chegam então as vibrações das fortes vivências que se processam incessantemente no meio da Criação em todo o formar e decompor.

Ainda que se trate dos mais delicados vislumbres que atravessam essa matéria fina gasosa como um sopro, são, pois, suficientes para despertar a vontade sensível no gérmen espiritual e chamar-lhe a atenção. Ele quer “provar” esta ou aquela vibração e segui-la ou, caso se queira expressar de outra forma, deixar-se levar por ela, o que equivale a um deixar-se atrair. Nisso, há a primeira decisão do gérmen espiritual multiplamente dotado e que doravante será, segundo a sua escolha, atraído para aqui ou acolá. Aí também já se vão atando os primeiros fios mais delicados do tecido que mais tarde constituirá o seu tapete de vida.

Agora, no entanto, poderá esse gérmen, que se desenvolve rapidamente, utilizar-se de cada momento para entregar-se às vibrações de outras espécies que cruzam de modo permanente e múltiplo o seu caminho. Tão logo o realize, isto é, o deseje, modificará assim sua direção, seguindo a espécie recém-escolhida ou, expresso de outra forma, deixando-se arrastar por ela.

Através de seu desejo ele pode mudar, como por meio de um leme, o curso nas correntezas, tão logo uma delas não mais lhe agrade. Assim consegue “provar” aqui e acolá.

Nesse provar ele amadurece mais e mais, recebe lentamente a faculdade de discernir e por fim a capacidade de julgar, até que finalmente, tornando-se cada vez mais consciente e seguro, segue numa determinada direção. Sua escolha das vibrações, as quais está disposto a seguir, não fica aí sem um efeito mais profundo sobre ele próprio. É apenas uma conseqüência muito natural que essas vibrações, nas quais ele, devido à sua livre vontade, por assim dizer, flutua, influenciem na reciprocidade o gérmen espiritual de acordo com sua espécie.

Mas o próprio gérmen espiritual, no entanto, possui em si apenas qualidades nobres e puras! Esse é o dote com que deve “vicejar” na Criação. Se ele se entregar a vibrações nobres, estas, na lei da reciprocidade, vivificarão, despertarão, fortalecerão e desenvolverão as propriedades latentes no gérmen, de modo que estas com o tempo produzem juros abundantes e distribuem grandes bênçãos na Criação. Um ser humano espiritual que dessa forma se desenvolve tornar-se-á com isso um bom administrador.

Mas, se ele se decidir predominantemente por vibrações baixas, estas podem com o tempo influenciá-lo tão fortemente que a espécie delas fica aderida a ele, cobrindo e sufocando as próprias faculdades puras do gérmen espiritual, não deixando que cheguem a um verdadeiro despertar e florescer. Estas têm, por fim, de ser consideradas como de fato “enterradas”, pelo que o respectivo ser humano tornar-se-á um mau administrador do dote a ele confiado.

Um gérmen espiritual não consegue, portanto, ser por si originariamente impuro, porque provém daquilo que é puro e traz apenas pureza em si. Pode, contudo, depois de seu mergulho na materialidade, conspurcar seu invólucro igualmente material pelo “provar” de vibrações impuras de acordo com a própria vontade, isto é, por meio de tentações, pode até com isso adquirir anímica e exteriormente coisas impuras, por fortes sufocações daquilo que é nobre, com o que ele então recebe características impuras, em contraste às capacidades inerentes e herdadas pelo espírito. A alma é somente o invólucro fino-material mais etéreo, gasoso, do espírito, e somente existente na Criação material. Após um eventual retorno para o puro espírito-enteal, situado mais acima, a alma é deixada para trás e só existe ainda o espírito, que de outra forma nem poderia ultrapassar o limite da Criação material para regressar ao espiritual. O seu regresso, seu retorno, no entanto, acontece então de forma viva, consciente, enquanto que a centelha que partiu ainda não o era no início.

Cada culpa e todo o carma é apenas de ordem material! Somente dentro do âmbito da Criação material, não diferentemente! Também não pode se transferir para o espírito, mas somente se aderir a ele. Razão pela qual é possível um lavar-se de toda a culpa.

Esse reconhecimento nada derruba, mas apenas confirma tudo o que a religião e a Igreja dizem figuradamente. Sobretudo, reconhecemos sempre mais e mais a grande Verdade que Cristo trouxe à humanidade.

É também evidente que um gérmen espiritual, que se sobrecarregou de coisas impuras na materialidade, não pode mais voltar novamente com essa carga para o espiritual, mas deverá permanecer na matéria até que tenha se desprendido desse fardo e podido livrar-se dele. Terá assim, naturalmente, de permanecer sempre na região para a qual o peso de sua carga o obriga, sendo para isso fator determinante o maior ou menor grau de impureza. Caso não consiga libertar-se e lançar fora o fardo até o dia do Juízo, não conseguirá ascender, apesar da sempre permanecente pureza do gérmen espiritual, que, aliás, pela sobrepujança das coisas impuras, não pôde desenvolver correspondentemente suas reais capacidades. O impuro, pelo seu peso, retém-no e arrasta-o junto para a decomposição de tudo quanto é material. *(Dissertação Nº 20: O Juízo Final)

Quanto mais consciente se torna então um gérmen espiritual em seu desenvolvimento, tanto mais o invólucro exterior irá se amoldando às características interiores. Ou aspirará ao que é nobre ou ao que é vil, isto é, ao belo ou ao feio.

Cada mudança de direção, que ele fizer, formará um nó nos fios, que ele vai arrastando atrás de si, que, em muitos caminhos errados, em muitas idas e vindas, podem vir a formar numerosas meadas como numa rede, na qual ele se emaranha, pelo que ou nela afunda, porque o retém, ou terá de se libertar violentamente. As vibrações às quais ele se entregou, provando ou usufruindo durante seus percursos, ficam ligadas a ele e arrastam-se atrás dele como fios, transmitindo-lhe, porém, também dessa forma, ininterruptamente, sua espécie de vibrações. Se ele então mantiver por longo tempo a mesma direção, assim os fios anteriores que se encontram mais longe, bem como os que estão mais perto, poderão atuar com intensidade não diminuída. Caso, porém, mude de rumo, as vibrações anteriores pouco a pouco irão se enfraquecendo em sua influência, por causa desse cruzamento, pois terão de passar primeiro por um nó que atua sobre elas de modo embaraçador, porque o enlaçamento em si já constitui uma ligação e fusão com a nova e diferente direção. A nova direção então resultante continua atuando em sua espécie diferente sobre a anterior, desagregando e dissolvendo, caso não pertença a uma espécie semelhante à primeira. E assim segue sucessivamente. Os fios vão se tornando mais espessos e mais fortes com o crescimento do gérmen espiritual, formando o carma, cujo efeito ulterior pode, por fim, adquirir tanto poder, que associa ao espírito este ou aquele “pendor”, que finalmente é capaz de prejudicar suas livres decisões, dando-lhes uma direção já antes estimável. Com isso o livre-arbítrio está então obscurecido, não pode mais atuar como tal.

Desde o início, portanto, existe o livre-arbítrio, só que muitos arbítrios estão mais tarde de tal forma sobrecarregados, que são fortemente influenciados pela maneira já mencionada, não podendo mais ser, portanto, nenhum livre-arbítrio.

O gérmen do espírito, que dessa forma vai se desenvolvendo mais e mais, deve, pois, ir se aproximando cada vez mais da Terra, visto que dela partem as vibrações de modo mais forte e ele, direcionando de forma cada vez mais consciente, segue-as, ou, melhor dito, deixa-se “atrair” por elas, a fim de poder provar cada vez mais intensamente as espécies escolhidas segundo a sua inclinação. Quer passar do petiscar para o real “provar” e, daí, para o “desfrutar”.

As vibrações oriundas da Terra são por isso tão fortes, porque aqui sobrevém algo de novo, muito revigorante: a força sexual corporal da matéria grosseira! *(Dissertação Nº 62: A força sexual em sua significação para a ascensão espiritual)

Essa tem a finalidade e a capacidade de “incandescer” toda a intuição espiritual. O espírito somente assim obtém correta ligação com a Criação material e pode por isso, só então, nela tornar-se ativo com pleno vigor. Abrange então tudo quanto é necessário para se fazer valer plenamente na materialidade, a fim de firmar-se nela em todos os sentidos, podendo atuar de maneira penetrante e dominadora, estando armado contra tudo e também protegido de tudo.

Daí as colossais ondas de força que emanam do vivenciar que se processa através dos seres humanos na Terra. Alcançam, no entanto, sempre apenas tão longe quanto a Criação material, contudo, nela vibrando até as ramificações mais delicadas.

Uma pessoa na Terra que fosse espiritualmente elevada e nobre, e que por isso viesse com elevado amor espiritual a seus próximos, permanecer-lhes-ia estranha, não podendo aproximar-se interiormente, tão logo fosse excluída sua força sexual. Assim, faltaria uma ponte para o entendimento e para o intuir anímico, existiria conseqüentemente um abismo.

No momento, porém, em que tal amor espiritual entra em pura ligação com a força sexual, e torna-se incandescido por esta, o fluxo para toda a materialidade recebe uma vida muito diferente, torna-se nisso terrenalmente mais real e consegue assim atuar sobre os seres humanos terrenos e sobre toda a materialidade de modo pleno e compreensível. Só assim ele é assimilado e compreendido por esta e pode trazer aquela bênção à Criação, que o espírito do ser humano deve trazer.

Há algo gigantesco nessa ligação. Esse é também o objetivo propriamente dito, pelo menos a finalidade principal, desse imensurável impulso natural, para tantos enigmático, a fim de deixar o espiritual desenvolver-se na materialidade até a plena força de atuação! Sem isso ele permaneceria demasiado estranho à materialidade, para poder manifestar-se direito. A finalidade procriadora só vem em segundo lugar. O fato principal é o impulso para cima que resulta dessa ligação no ser humano. Com isso o espírito humano também recebe sua força plena, seu calor e sua vitalidade, fica, por assim dizer, pronto com este processo. Por isso principia aqui, mas também somente agora, a sua plena responsabilidade!

A sábia justiça de Deus outorga ao ser humano, porém, nesse importante ponto de transição, também simultaneamente, não somente a possibilidade, mas sim até o impulso natural para desembaraçar-se facilmente de todo o carma com que até então sobrecarregou seu livre-arbítrio. Dessa forma, o ser humano consegue outra vez libertar o arbítrio completamente, para então, estando conscientemente de modo poderoso na Criação, tornar-se um filho de Deus, atuar no Seu sentido e subir às alturas em puras e elevadas intuições, para onde mais tarde será atraído, quando tiver deixado seu corpo de matéria grosseira.

Se o ser humano não fizer isso, a culpa é dele; pois com a entrada da força sexual manifesta-se nele, de modo preponderante, um impulso poderoso para cima, para o que é ideal, belo e puro. Isso sempre pode ser observado nitidamente na juventude incorrupta de ambos os sexos. Daí os entusiasmos dos anos da mocidade, infelizmente muitas vezes ridicularizados pelos adultos, e que não devem ser confundidos com os dos anos da infância. Por isso também nesses anos as intuições inexplicáveis, levemente melancólicas e com um ar de seriedade. Não são infundadas as horas em que parece que um moço ou uma jovem teria de carregar toda a dor do mundo, quando lhe surgem pressentimentos de uma profunda seriedade. Também o não se sentir compreendido, que tão freqüentemente ocorre, contém em si, na realidade, muito de verdadeiro. É o reconhecimento temporário da conformação errada do mundo em redor, o qual não quer nem pode compreender o sagrado início de um vôo puro às alturas, e só fica satisfeito quando essa tão forte intuição exortadora nas almas em amadurecimento é arrastada para baixo, para o “mais real” e sensato, que lhe é mais compreensível e que considera mais adequado à humanidade, julgando, em seu sentido intelectual unilateral, como o único normal.

Não obstante isso, existem inúmeros materialistas inveterados que, em idêntica época de sua vida, intuíram da mesma forma como uma severa advertência e que, aqui e acolá, falam prazerosamente do tempo áureo do primeiro amor com um leve acesso de certa sensibilidade, até de melancolia, que expressa inconscientemente certa dor sobre algo perdido, que não é possível descrever mais pormenorizadamente. E nisso todos eles têm razão! O mais precioso foi lhes tomado, ou eles próprios jogaram-no fora levianamente, quando, no cinzento dia-a-dia do trabalho, ou sob o sarcasmo dos assim chamados “amigos” e “amigas”, ou por meio de maus livros e exemplos, enterraram timidamente a jóia, cujo brilho, não obstante, irrompe novamente durante sua vida posterior, uma vez aqui e acolá, deixando aí num instante bater mais alto o coração insatisfeito, num inexplicável tremor de uma enigmática tristeza e saudade.

Mesmo que tais intuições sejam sempre de novo recalcadas e ridicularizadas rapidamente em amargo auto-escarnecimento, comprovam ainda assim a existência desse tesouro, e felizmente poucos são aqueles que podem afirmar nunca terem tido tais intuições. E esses também apenas seriam dignos de lástima; pois nunca viveram.

Mas mesmo tais corrompidos, ou digamos dignos de lástima, sentem então uma saudade, quando se lhes dá o ensejo de encontrar uma pessoa que utiliza essa força propulsora com disposição correta, e que, portanto, assim se tornou pura e já se encontra na Terra interiormente elevada. O efeito de semelhante saudade em tais pessoas é, porém, na maioria das vezes, primeiramente o reconhecimento involuntário da própria baixeza e negligência, que acaba transformando-se então em ódio, que pode chegar até a uma cólera cega. Não é raro também acontecer que uma pessoa perceptivelmente já animicamente elevada atraia sobre si o ódio de massas inteiras, sem que ela própria realmente tivesse dado motivo reconhecível externamente para tanto. Tais massas então não sabem outra coisa senão bradar: “crucificai-o, crucificai-o!”. Daí o grande número de mártires que a história da humanidade tem registrado.

A causa é a dor feroz de ver em outros algo precioso, que eles próprios perderam. Uma dor que só reconhecem como ódio. Em pessoas com maior calor interior, que foram retidas ou arrastadas para a imundície apenas devido a maus exemplos, a saudade daquilo que propriamente não foi conseguido provoca, num encontro com uma pessoa interiormente elevada, muitas vezes também ilimitado amor e veneração. Para onde quer que se dirija tal pessoa, há sempre apenas um pró ou um contra em torno dela. Indiferença não consegue resistir.

A graça misteriosamente irradiante duma jovem incorrupta ou dum moço incorrupto outra coisa não é senão o impulso puro da força sexual que desperta em união com a força espiritual para coisas mais elevadas e mais nobres, intuído conjuntamente pelo seu ambiente devido às fortes vibrações! Zelosamente, cuidou o Criador de que isso só sucedesse ao ser humano numa idade em que pudesse tornar-se plenamente consciente de sua vontade e de seus atos. Então é chegado o tempo no qual ele pode e deveria desembaraçar-se, como que brincando, de tudo quanto pertence ao passado, em ligação com a força plena nele agora existente. Cairia até por si, caso o ser humano mantivesse sua vontade pelo bem, ao que nessa época sente-se impulsionado sem cessar. Poderia, então, como as intuições mui acertadamente indicam, escalar sem esforço àquele degrau ao qual ele, como ser humano, pertence! Vede a atitude sonhadora da mocidade incorrupta! Nada mais é senão a intuição do impulso para cima, a vontade de libertar-se de toda a imundície, o anseio ardente pelo que é ideal. A inquietação impulsionadora, porém, é o sinal para não perder o tempo, mas desembaraçar-se energicamente do carma e iniciar a escalada do espírito.

Por isso a grande importância, o grande ponto de transição que a Terra é para a criatura humana!

É algo de esplêndido encontrar-se nessa força concentrada, atuar nela e com ela! Isso, enquanto a direção que o ser humano escolheu for boa. Mas também não existe nada mais miserável do que malbaratar essas energias unilateralmente em cega embriaguez dos sentidos e assim vir a paralisar seu espírito, privando-o de uma grande parte do impulso de que tanto necessita para chegar às alturas.

E, no entanto, o ser humano, na maioria dos casos, perde essa preciosa época transitória, deixando-se guiar pelo ambiente “entendido” para caminhos errados, os quais o retêm e, infelizmente, com demasiada freqüência até o conduzem para baixo. Devido a isso não consegue libertar-se das turvas vibrações nele aderentes, as quais, pelo contrário, recebem apenas novo suprimento de forças e, assim, envolvem mais e mais o seu livre-arbítrio, até que ele não consegue mais reconhecê-lo.

Assim acontece na primeira encarnação na Terra. Nas seguintes encarnações, que se fazem necessárias, o ser humano trará consigo um carma muito mais pesado. A possibilidade de desvencilhamento, porém, apresenta-se, apesar disso, sempre de novo, e nenhum carma poderia ser mais forte do que o espírito do ser humano ao chegar na plenitude do seu vigor, tão logo receba através da força sexual a ligação sem lacunas com a materialidade, à qual, sim, o carma pertence.

Se, porém, o ser humano desperdiçou essas épocas para desvencilhar-se do seu carma e para a recuperação a isso ligada de seu livre-arbítrio, tendo se emaranhado mais ainda, tendo talvez até caído profundamente, apesar disso, ainda se oferece a ele um poderoso aliado para o combate do carma e para a ascensão. O maior vencedor que há, capaz de tudo sobrepujar. A sabedoria do Criador dispôs as coisas na materialidade de tal maneira, que os períodos mencionados não são os únicos em que o ser humano pode encontrar a possibilidade de auxílio rápido, nos quais ele consegue encontrar a si mesmo, bem como o seu real valor, recebe até para tanto um impulso extraordinariamente forte, a fim de que atente a isso.

Esse poder mágico, que está à disposição de cada ser humano durante toda sua existência terrena, em constante prontidão de auxílio, mas que também se origina da mesma união da força sexual com a força espiritual, podendo provocar a eliminação do carma, é o amor! Não o amor cobiçoso da matéria grosseira, mas o elevado e puro amor que outra coisa não conhece nem deseja senão o bem da pessoa amada, que nunca pensa em si próprio. Ele pertence também à Criação material e não exige renúncia nem penitencialismo, mas quer sempre apenas o melhor para o outro, preocupa-se com ele, sofre com ele, mas divide também com ele as alegrias.

Como base, tem ele as intuições semelhantes de anseio pelo ideal da juventude incorrupta no irromper da força sexual, mas também estimula o ser humano responsável, isto é, maduro, para a força plena de toda a sua capacidade, até ao heroísmo, de modo que a força produtiva e combativa seja concentrada à máxima intensidade. Aqui, em relação à idade, não são postos limites! Tão logo uma pessoa dê guarida ao amor puro, seja o de um homem por uma mulher ou vice-versa, ou por um amigo, ou por uma amiga, ou pelos pais, pelos filhos, não importa, se este apenas for puro, trará como primeira dádiva a oportunidade para livrar-se de todo o carma, que então apenas é remido ainda de forma puramente “simbólica”, *(Dissertação Nº 37: Simbolismo no destino humano) para o desabrochar do livre e consciente arbítrio, que pode ser dirigido para cima. Como conseqüência natural, inicia-se então a escalada, o resgate das cadeias indignas que a retêm.

A primeira intuição que se manifesta quando desperta o amor puro é o julgar-se indigno diante do ser querido. Com outras palavras, pode-se descrever esse fenômeno como o princípio da modéstia e da humildade, portanto, o recebimento de duas grandes virtudes. A seguir, junta-se a isso o impulso de querer manter a mão sobre o outro, protetoramente, a fim de que não lhe aconteça mal algum de nenhum lado, mas sim que seu caminho o conduza por veredas floridas e ensolaradas. O “querer trazer nas palmas das mãos” não é um ditado oco, mas sim caracteriza mui acertadamente a intuição que brota. Nisso, porém, encontra-se uma abdicação da própria personalidade, uma grande vontade de servir, o que, por si só, poderia bastar para eliminar em pouco tempo todo o carma, tão logo essa vontade perdure e não dê lugar a impulsos puramente sensuais. Por último, manifesta-se ainda, no amor puro, o desejo ardente de poder fazer algo bem grande para o outro ser querido, no sentido nobre, de não o ofender ou ferir com nenhum gesto, nenhum pensamento, nenhuma palavra, muito menos ainda com uma ação feia. Torna-se viva a mais delicada consideração.

Trata-se, então, de segurar essas puras intuições e colocá-las acima de tudo o mais. Nunca alguém, então, quererá ou fará algo de mal. Simplesmente não o consegue, mas sim, pelo contrário, tem nisso a melhor proteção, a maior força, o mais bem-intencionado conselheiro e auxiliador.

Por esse motivo também Cristo, sempre de novo, indica para a onipotência do amor! Somente ele tudo sobrepuja, tudo consegue. Todavia, pressupondo sempre que não se trate apenas do amor terreno e cobiçoso, que contém em si o ciúme e seus vícios análogos.

O Criador, em Sua sabedoria, lançou com isso uma bóia de salvação na Criação, que não somente uma vez na vida terrena toca em cada criatura humana, a fim de que nela se segure e por ela se alce!

Esse auxílio está à disposição de todos. Não faz nenhuma diferença, nem na idade nem no sexo, nem no pobre nem no rico, tampouco no nobre ou humilde. Por essa razão, o amor é também a maior dádiva de Deus! Quem compreende isso, esse está certo da salvação de todas as vicissitudes e de todas as profundezas! Liberta-se, recupera assim de modo mais fácil e mais rápido um límpido livre-arbítrio, que o conduz para cima.

E mesmo que se encontre numa profundidade, que deve levá-lo ao desespero, o amor é capaz de arrancá-lo com o ímpeto de um furacão para cima, ao encontro da Luz, de Deus, que é o próprio amor. Tão logo numa pessoa desperte um amor puro mediante qualquer impulso, tem ela também a mais direta ligação com Deus, a fonte primordial de todo o amor, e com isso também o mais forte auxílio. Mas se um ser humano possuísse tudo e não tivesse o amor, só seria um metal soante ou um chocalho tilintante, isto é, sem calor, sem vida... nada!

Se vier a sentir, no entanto, amor verdadeiro por qualquer um de seus semelhantes, o qual só se esforça para dar à pessoa amada luz e alegria, não a degradar mediante cobiças insensatas, mas sim soerguê-la protegendo, então ele serve a ela, sem se tornar consciente do servir, propriamente, visto que assim se torna um desinteressado doador e presenteador. E esse servir liberta-o!

Muitos dirão para si mesmos: Eis exatamente isso que eu faço, ou pelo menos já me esforço! Procuro por todos os meios tornar fácil a vida terrena de minha mulher ou família, proporcionar-lhes prazeres, empenhando-me em conseguir tantos meios para que possam ter uma vida cômoda, agradável e livre de preocupações. Milhares baterão no peito, sentindo-se elevados e julgando-se por demais bons e nobres. Enganam-se! Esse não é o amor vivo! Este não é tão unilateralmente terreno, mas impulsiona ao mesmo tempo muito mais fortemente para o que é mais elevado, mais nobre e ideal. Claro é que ninguém deve impunemente, isto é, sem conseqüências prejudiciais, descuidar-se das necessidades terrenas, não deve negligenciá-las, mas estas não devem constituir a finalidade principal do pensar e do atuar. Acima disso paira, de modo imenso e forte, o desejar, tão misterioso para muitos, de poder ser, realmente, perante si mesmos, aquilo que valem perante aqueles pelos quais são amados. E esse desejar é o caminho certo! Ele conduz sempre somente para o alto.

O amor verdadeiro e puro não necessita ser esclarecido ainda mais detalhadamente. Cada ser humano sente perfeitamente como ele é constituído. Procura apenas enganar-se com freqüência a tal respeito, quando vê aí os seus erros e intui de modo claro quão longe se encontra ainda realmente de amar de modo verdadeiro e puro. Mas ele deve então se animar, não pode parar hesitantemente e chegar por fim a falhar; pois para ele não existe mais um livre-arbítrio sem o verdadeiro amor!

Quantos ensejos são, portanto, proporcionados ao ser humano, a fim de se animarem e se lançarem rumo ao alto, sem que os aproveitem. Por isso, na maioria, suas lamúrias e buscas não são legítimas! Nem querem, tão logo eles próprios tenham de contribuir com algo, mesmo que seja apenas uma pequena modificação de seus hábitos e opiniões. Na maior parte é mentira, auto-ilusão! Deus é que deve vir até eles e soerguê-los para Si, sem que precisem renunciar à tão querida comodidade e à sua auto-adoração. Então, também, consentiriam em acompanhar, mas não sem esperar para tanto ainda um agradecimento todo especial de Deus.

Deixai que tais zangões sigam seu caminho para a ruína! Não merecem que alguém se esforce por eles. Deixarão passar sempre de novo, queixando-se e rezando, as oportunidades que se oferecem. Se uma tal pessoa, no entanto, se aproveitasse delas uma vez, então certamente iria privá-las de seu mais distinto adorno, da pureza e altruísmo, para arrastar este preciosíssimo bem à lama das paixões.

Pesquisadores e sábios devem finalmente se animar e se desviar dessas pessoas! Não devem pensar que estão fazendo obra agradável a Deus, quando oferecem continuamente a Sua Palavra e a Sua vontade sagrada como mercadoria barata e por meio de tentativas de ensinamentos, dando assim quase a aparência de que o Criador precisaria mendigar por intermédio de Seus fiéis para ampliar o círculo dos adeptos. É uma conspurcação, se for oferecida a esses que com as mãos imundas agarram-na. Não se deve esquecer a sentença que proíbe “atirar pérolas aos porcos”.

E outra coisa não se dá em tais casos. Desnecessário desperdício de tempo, que em tal medida não deve ser mais esbanjado, sem que, por fim, na ação retroativa, se torne prejudicial. Só devem ser ajudados aqueles que procuram.

A inquietação que por toda parte surge em muitas pessoas, o pesquisar e o procurar pelo paradeiro do livre-arbítrio são perfeitamente justificados e constituem um sinal de que não há tempo a perder. Reforça-se este fato com o pressentimento inconsciente de um possível tarde demais para tal. Isso mantém agora o pesquisar constantemente vivo. Mas é em grande parte inútil. Os seres humanos de hoje, em sua maior parte, não conseguem mais ativar o livre-arbítrio, porque se embaraçaram demasiadamente!

Venderam-no e mercadejaram-no... por nada!

Quanto a isso não poderão responsabilizar Deus, como se tenta fazer sempre de novo tão freqüentemente, mediante toda a sorte de interpretações, para se eximirem do pensamento duma responsabilidade própria que os aguarda, mas terão de acusar a si mesmos. E mesmo que tal auto-acusação fosse perpassada da mais acerba amargura e da mais profunda dor, ainda assim não seria suficientemente forte para dar uma relativa compensação pelo valor do bem perdido, que foi insensatamente calcado ou desperdiçado.

Não obstante isso, o ser humano ainda pode encontrar o caminho para conquistá-lo novamente, tão logo se esforce seriamente nesse sentido. No entanto, sempre apenas quando ele o desejar do mais fundo do seu íntimo. Se esse desejo realmente viver nele e jamais enfraquecer. Deve trazer o mais ardente anseio para tanto. E mesmo que devesse empenhar nisso toda a sua existência terrena, só teria o que ganhar com isso; pois extremamente séria e necessária para o ser humano é a recuperação do livre-arbítrio! Podemos em lugar de recuperação dizer desenterramento, ou purificação libertadora. Vem a dar exatamente no mesmo.

Enquanto, porém, o ser humano só pensar e cismar a tal respeito, não conseguirá nada. O maior esforço e pertinácia têm de falhar aí, visto que através de pensamentos e cismas não conseguirá nunca ultrapassar os limites de tempo e espaço, isto é, jamais chegará até onde se encontra a solução. E como atualmente o pensar e o cismar têm sido considerados como o principal caminho para todo o pesquisar, não existe, também, nenhuma perspectiva de que se possa esperar um progresso além das coisas puramente terrenas. A não ser que os seres humanos se modifiquem nisso fundamentalmente.

Aproveitai o tempo da existência terrena! Pensai no grande ponto de transição que sempre traz consigo a plena responsabilidade!

Por esse motivo, uma criança ainda não se encontra espiritualmente capacitada, porque a ligação entre o espiritual e o material ainda não se efetuou nela através da força sexual. Só no momento da entrada de tal força é que suas intuições adquirirão aquele vigor capaz de perpassar de modo incisivo a Criação material, transformando-a e remodelando-a, com o que assumirá, de modo espontâneo, plena e inteira responsabilidade. Antes, os efeitos retroativos também não são tão fortes, porque a capacidade de intuição atua de modo muito mais fraco. Por isso, na primeira encarnação *(Entrada do ser humano na existência terrena) na Terra, um carma não pode ser tão pesado, mas, quando muito, pode influir na ocasião do nascimento, determinando o ambiente em que o nascimento se dá, a fim de que ajude o espírito, durante a vida terrena, a libertar-se do carma mediante o reconhecimento de suas propriedades específicas. Os pontos de atração das espécies iguais representariam aí um papel predominante. Tudo, porém, apenas em sentido fraco. O carma, propriamente dito, potente e incisivo, só se inicia quando no ser humano a força sexual se liga à sua força espiritual, pelo que ele se torna na matéria não apenas de pleno valor, mas pode, em todos os sentidos, sobrepujá-la amplamente, caso se sintonizar correspondentemente.

Até aí também as trevas, o mal, não conseguem chegar diretamente ao ser humano. Disso uma criança se acha protegida pela falta de ligação com o material. Como que separada. Falta a ponte.

Por isso, a muitos ouvintes tornar-se-á também mais compreensível por que as crianças gozam de uma proteção muito maior contra o mal, o que já é proverbial. Pelo mesmo caminho, porém, que forma a ponte para a força sexual que se inicia, e sobre a qual o ser humano pode andar lutando em seu pleno vigor, pode lhe chegar naturalmente também tudo o mais, se não estiver suficientemente vigilante. Mas em caso algum isso pode acontecer antes que possua também a necessária força defensiva. Não existe em momento algum uma desigualdade que permita surgir uma desculpa.

Por essa razão, a responsabilidade dos pais assume proporções gigantescas! Ai daqueles que privam os próprios filhos da oportunidade de se desembaraçar de seu carma e de ascender, quer por zombarias inoportunas, quer por educação errônea, se não até por maus exemplos, aos quais pertencem também as ambições exageradas nos mais variados setores. As tentações da vida terrena, já por si só, atraem neste ou naquele sentido. E por não ser explicada aos adolescentes a sua real posição de poder, ou eles nem aplicam a sua força ou aplicam-na de modo insuficiente, ou desperdiçam-na da maneira mais irresponsável, quando não fazem dela até uso errado e mau.

Assim, na ignorância, inicia-se, pois, o inevitável carma com ímpeto cada vez maior, lança adiante, influenciando, as suas irradiações através de algum pendor para isto ou aquilo, e restringe com isso o livre-arbítrio propriamente dito nas decisões, de modo que ele não é mais livre. Decorreu disso também o fato de a maioria da humanidade, hoje em dia, não mais poder ativar livre-arbítrio algum. Ela se atou, acorrentou, escravizou-se por própria culpa. Quão pueris e indignos se mostram os seres humanos, quando procuram repelir o pensamento duma responsabilidade incondicional, preferindo nisso lançar ao Criador uma censura de injustiça! Quão ridículo soa o pretexto de que até nem teriam nenhum livre-arbítrio próprio, mas seriam conduzidos, empurrados, aplainados e modelados, sem poder fazer algo contra isso.

Se ao menos por um momento quisessem conscientizar-se do mísero papel que representam realmente com tal comportamento. Se, antes de tudo o mais, finalmente quisessem se examinar de forma verdadeiramente crítica em relação à posição de poder que lhes foi concedida, a fim de reconhecer como eles a desperdiçam, irrefletidamente, em ninharias e futilidades transitórias, como, em troca, elevam bagatelas a uma posição de importância desprezível, sentem-se grandes em coisas nas quais, no entanto, têm de parecer tão pequenos em relação à sua destinação real como seres humanos na Criação. O ser humano de hoje é como um homem ao qual foi dado um reino e que prefere perder seu tempo com os mais simples brinquedos infantis!

É apenas evidente, e não de se esperar diferentemente, que as forças poderosas concedidas ao ser humano devam esmagá-lo, se não souber guiá-las.

É chegado o último momento para finalmente despertar! Devia o ser humano aproveitar plenamente o tempo e a graça que lhe são presenteados com cada vida terrena. Ainda não pressente quão indispensável isso já é. No momento em que vier a libertar novamente o arbítrio, que atualmente se acha preso, servi-lo-á tudo o que agora parece muitas vezes estar contra ele. Mesmo as irradiações dos astros, temidas por tantos, só existem para servi-lo e auxiliá-lo. Pouco importa de que natureza sejam.

E cada qual o consegue, mesmo que o carma ainda penda pesadamente nele! Mesmo que as irradiações dos astros pareçam ser predominantemente desfavoráveis. Tudo isso se efetua de modo pernicioso somente no caso de um arbítrio atado. Mas também aí apenas aparentemente; porque, na realidade, ainda assim será para o seu bem, se não souber mais ajudar a si mesmo de outra maneira. Desse modo será forçado a defender-se, a acordar e a estar alerta.

O medo das irradiações dos astros não é, contudo, apropriado, porque os fenômenos colaterais que aí se efetivam são sempre apenas os fios do carma, que está atuando para a respectiva pessoa. As irradiações dos astros constituem apenas canais, para os quais é conduzido todo o carma que, na ocasião, encontra-se suspenso para uma pessoa, até o ponto em que este, em sua espécie, corresponda às respectivas irradiações de igual espécie. Se, portanto, as irradiações dos astros são desfavoráveis, então se juntará nesses canais apenas carma suspenso desfavorável para o ser humano, aquilo que corresponde exatamente à espécie das irradiações, nada diferente. Igualmente nos casos de irradiações favoráveis. Guiado assim mais concentradamente, pode também efetivar-se sobre o ser humano sempre de modo mais sensível. Onde, porém, não há carma nocivo, as irradiações desfavoráveis dos astros também não poderão atuar de modo nocivo. Uma coisa não é separável da outra. Também nisso se reconhece mais uma vez o grande amor do Criador. Os astros controlam ou guiam os efeitos do carma. Conseqüentemente, um carma nocivo não pode atuar sem interrupções, mas também de permeio tem de deixar ao ser humano intervalos para tomar alento, porque os astros irradiam alternadamente e, assim, no período de irradiações benignas, o mau carma está impossibilitado de agir! Tem, pois, que interromper e aguardar até que recomecem as irradiações desfavoráveis, não podendo, por conseguinte, oprimir inteiramente uma pessoa tão facilmente. Não havendo, ao lado do carma nocivo da criatura humana, também algum carma benigno que se efetiva através das irradiações favoráveis dos astros, então, pelas irradiações favoráveis, pelo menos se consegue que o sofrimento venha a ter interrupções durante as épocas de irradiações benignas.

Assim se engrenam também aqui, uma na outra, as rodas dos acontecimentos. Uma coisa acarreta a outra, dentro da mais estrita lógica, e controla-a simultaneamente, a fim de que não possam ocorrer irregularidades. E assim prossegue, como num gigantesco conjunto de engrenagens. De todos os lados os dentes das engrenagens se entrosam de forma precisa e exata, movimentando e impulsionando tudo adiante, para o desenvolvimento.

No centro de tudo, porém, encontra-se o ser humano com o incalculável poder que lhe é confiado para dar, por meio de sua vontade, a direção a essa gigantesca engrenagem. No entanto, sempre apenas para si próprio! Poderá levá-lo para cima ou para baixo. Unicamente a sintonização é a determinante para o fim.

Todavia, a engrenagem da Criação não é constituída de material rígido, mas de formas e seres, todos vivos, que, atuando conjuntamente, causam uma impressão ainda mais gigantesca. Todo esse maravilhoso tecer, no entanto, serve apenas para ajudar o ser humano, para servi-lo, enquanto ele não interferir com o poder que lhe foi dado, de modo a embaraçá-lo pelo esbanjamento pueril e aplicação errada. Urge, por fim, que se enquadre diferentemente para tornar-se aquilo que deve ser. Obedecer outra coisa não significa, na realidade, senão compreender! Servir é auxiliar. Auxiliar, porém, significa reinar. Em pouco tempo cada um pode libertar seu arbítrio conforme deve ser. E dessa forma tudo muda para ele, pois ele próprio primeiramente mudou o seu íntimo.

Mas para milhares, centenas de milhares, sim, para milhões de seres humanos tornar-se-á demasiadamente tarde, porque não o querem diferentemente. É apenas natural que a força erradamente dirigida destrua a máquina, força que, de outra forma, teria lhe servido para realizar um trabalho abençoado.

Quando sobrevierem os acontecimentos, todos os hesitantes lembrar-se-ão de novo repentinamente de rezar, porém não poderão encontrar mais a maneira adequada, a qual, unicamente, poderia proporcionar auxílio. Reconhecendo então o falhar, passarão logo, em seu desespero, a blasfemar e a afirmar acusadoramente que não poderia existir um Deus, se Ele permite tais coisas. Não querem acreditar na justiça férrea, tampouco que lhes tenha sido dado o poder de modificar tudo ainda em tempo. E que isso também lhes fora dito com suficiente freqüência.

Mas eles exigem para si, com obstinação pueril, segundo o seu modo, um Deus amoroso que tudo perdoa. Só nisso querem reconhecer a Sua grandeza! Como deveria esse Deus, segundo suas idéias, proceder então com aqueles que sempre O procuraram sinceramente, mas que justamente por causa desse procurar foram pisados, escarnecidos e perseguidos por aqueles que esperam perdão?

Tolos esses que, em sua cegueira e surdez sempre de novo desejadas, correm ao encontro da ruína, eles próprios criam com fervor sua destruição. Que fiquem entregues às trevas, ao encontro das quais se dirigem teimosamente, devido ao tudo saber melhor. Só mesmo mediante o próprio vivenciar é que ainda poderão chegar à reflexão. Por isso também as trevas serão a sua melhor escola. Mas virá o dia, a hora, em que esse caminho também será tarde demais, porque o tempo não será mais suficiente para, após um reconhecimento final pelo vivenciar, ainda se libertarem das trevas e ascenderem. Por esse motivo já é tempo de, finalmente, ocuparem-se seriamente com a Verdade.

Mensagem do Graal de Abdrushin


Índice

[Mensagem do Graal de Abdrushin]  [Ressonâncias da Mensagem do Graal] 

contato