Na Luz da Verdade

Mensagem do Graal de Abdrushin


1.LIVRO ◄ ► 2.LIVRO
Deutsch
English
Francais
Español
Русский
Український
Magyar
Česky
Slovensky
Índice


Primeiro Mandamento
Eu sou o Senhor teu Deus! Tu não deverás ter outros deuses ao meu lado!

Quem for capaz de ler corretamente estas palavras, nelas certamente já verá o julgamento de muitos que não observam este mais nobre de todos os mandamentos.

“Tu não deverás ter outros deuses!” Muitos imaginam muito pouco sob estas palavras. Tornam-nas demasiadamente fáceis para si mesmos! Imaginam entre os idólatras certamente em primeiro lugar somente aquelas pessoas que se ajoelham diante de uma fileira de figuras de madeira, onde cada uma representa um determinado deus, pensam talvez também nos adoradores do diabo e semelhantes transviados, aos quais, na melhor das hipóteses, referem-se com compaixão, contudo, não pensam aí em si mesmos. Olhai calmamente para vós próprios e examinai-vos, se talvez também fazeis parte dessas pessoas!

Um possui um filho, que lhe significa de fato mais que tudo, pelo qual seria capaz de qualquer sacrifício, e que o faz esquecer tudo o mais. Outro coloca os prazeres terrenos acima de tudo e, mesmo que tomado da melhor boa vontade, não seria capaz de privar-se deles por motivo algum, se uma tal exigência lhe fosse apresentada, que lhe permitisse livre decisão. Um terceiro, por sua vez, ama o dinheiro, um quarto, o poder, um quinto, uma mulher, outro, honrarias terrenas, e todos, em última análise, em tudo isso somente... a si mesmos!

Isso é idolatria no mais verdadeiro sentido. Disso adverte o primeiro mandamento! Proíbe-a! E ai daquele que não o cumpre ao pé da letra! Tal transgressão traz como conseqüência imediata que tal ser humano sempre terá de permanecer preso à Terra, quando passar para o reino de matéria fina. Na realidade, porém, é ele mesmo que se prendeu à Terra, pelo pendor por algo nela existente! Fica assim impedido de continuar a ascensão, perde o tempo a ele concedido para esse fim e corre o perigo de não sair a tempo do reino de matéria fina, numa ressurreição deste para o reino luminoso dos espíritos livres. É arrastado então para a inevitável decomposição de toda a materialidade, que serve de purificação para o ressurgimento desta e de sua nova formação. Isso, porém, é para a alma humana a morte fino-material e espiritual de toda a conscientização pessoal e, com isso, também o aniquilamento de sua forma e de seu nome para toda a eternidade!

Desse terrível acontecimento deve proteger a observância do mandamento! É o mais nobre dos mandamentos, porque é o mais imprescindível para o ser humano! Infelizmente, o ser humano tende, com demasiada facilidade, a entregar-se a algum pendor, que por fim o escraviza! Aquilo, porém, que ele deixa constituir-se num pendor, transforma assim num bezerro de ouro, que coloca no lugar mais alto e, com isso, também como falsa divindade ou ídolo ao lado de seu Deus e, muitas vezes, até acima Dele!

Desses “pendores”, infelizmente, existem demais, que o ser humano criou para si, e dos quais ele se apropria de muito bom grado e na mais absoluta despreocupação! O pendor é a predileção por algo terreno, conforme já citei. Desses, existem naturalmente ainda muitos mais. Quem, porém, adquire um pendor, este “pende”, como já indica acertadamente a palavra. Pende assim no que é grosso-material quando chega ao Além para prosseguir no seu desenvolvimento, e não consegue libertar-se facilmente, fica, portanto, impedido, retido! Pode-se chamar isso também de maldição, que fica pesando sobre ele. O acontecimento é o mesmo, pouco importando como venha a ser expresso.

Se, porém, na sua existência terrena, colocar Deus acima de tudo, não apenas na sua imaginação ou por meio de palavras, mas no intuir, portanto, de modo verdadeiro e legítimo, com respeitoso amor, que o prende como a um pendor, então ele através da ligação continuará a esforçar-se, no mesmo efeito, imediatamente para cima, quando chegar ao Além; pois leva consigo a veneração e o amor a Deus, que o sustenta e o conduz por fim até a Sua proximidade, ao Paraíso, à Criação primordial, à morada dos espíritos puros, libertos de todos os fardos, e cuja ligação conduz somente à Verdade luminosa de Deus!

Atentai, pois, estritamente à observância deste mandamento. Assim ficareis preservados de muitos golpes do destino de espécie desfavorável, para cujo resgate poderia não vos restar mais tempo suficiente!

Mensagem do Graal de Abdrushin


Índice

[Mensagem do Graal de Abdrushin]  [Ressonâncias da Mensagem do Graal] 

contato